199/2020 MISS JUNETEENTH

Juneteenth é o nome dado a comemoração da libertação dos escravos do estado do Texas nos EUA, 2 anos depois da lei ter sido promulgada no resto do país, porque, né, vai entender a filhadaputice texana desde sempre.

Miss Juneteenth conta a história de uma mãe tentando que sua filha se torne a nova miss juneteenth, em um concurso onde garotas pretas concorrem a uma bolsa de estudos que vai bancar o resto de seus anos de formação, uma forma de garantir o futuro promissor para uma jovem todo ano.

Acontece que Turquoise, mãe de Kai, já foi Miss Juneteenth em sua adolescência e sua vida, como conferimos na história, é tudo menos o sucesso que uma miss deveria ter.

Turquoise cria sua filha adolescente sem marido, sempre se envolvendo com os homens errados, como sempre a lembram.

Mesmo assim ela quer de qualquer maneira que sua filha vença o concurso de Miss Juneteenth para que não repita seus erros e tenha a garantia de uma vida melhor, que não trabalhar o tempo inteiro em um restaurante para no final das contas não ter o dinheiro para comprar o vestido da filha porque precisou pagar a fiança do namorado pilantra preso.

Kai sabe de tudo isso e sempre, de todas as formas, apoia a mãe, mesmo sendo, como toda adolescente, bem rebelde.

Kia, por exemplo, não quer apenas recitar o mesmo discurso que sua mãe recitou anos atrás quando venceu o concurso. Apesar de Turquoise ter certeza que isso tenha sido seu toque para a vitória.

Kai, como toda adolescente nos dias de hoje, sabe o que quer, sabe como fazer e faz bem feito.

Turquoise, filha de mãe alcoólica que se refugia na igreja durante o dia e a noite bebe até cair, não quer ser essa mãe para Kai.

Kai ensaio para o concurso mas não quer participar e ver sua mãe gastar todo o dinheiro que economizou com muito suor ser gasto em algo que lhe daria satisfação própria mas nenhuma para a própria Kai.

Miss Juneteenth, por causa de sua roteirista e diretora estreante Channing Godfrey Peoples, cria esse universo absurdo de real, da mulher preta, pobre, quase miserável que não deixa seu sonho morrer, mesmo que para isso ela mesma morra aos poucos.

Turquoise é uma das maiores personagens recentes do cinema preto indie dos EUA que retrata tão bem a realidade que, se muito, é conhecida apenas por notícias trágicas policiais.

Miss Juneteenth é um drama trágico mas não na obviedade dos tiros e choros e desgraças corriqueiras.

Turquoise é uma heroína grega (no corpo e na alma da incrível Nicole Beharie), só que miserável e desesperada para mostrar a quem estiver olhando que ela pode prover para sua filha apesar de todos os pesares, que a sub vida, que a mera sobrevivência não é a única opção.

Kai é a prova de que adolescentes em filmes dos EUA podem ter profundidade e peso para contar e participar de histórias que não as de high school em comédias bobas.

Miss Juneteenth é aquele filme que vai ficar na sua cabeça por muito tempo, em memórias boas de cenas lindas e pungentes, mesmo parecendo cotidianas e desimportantes demais.

NOTA: 🎬🎬🎬🎬🎬

Um pensamento sobre “199/2020 MISS JUNETEENTH

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s