233/2021 A LENDA DO CAVALEIRO VERDE

Mais uma vez a produtora mais cool do momento, a A24, conseguiu.

The Green Knight, A Lenda do Cavaleiro Verde, vem sendo prometido há tempos, vem sendo vendido como um grande filme de cavaleiros, dirigido pelo grande diretor desses tempos (segundo a produtora, claro), com elenco incrível.

Seria O filme do verão.

E é quase.

A Lenda do Cavaleiro Verde já me pegou porque é um filme baseado em um dos textos da lenda do Rei Arthur, aquele da távola redonda, do Merlin e da espada espetada na pedra.

O cavaleiro verde do título é um monstro que aparece em uma das histórias, que se passa na comemoração da Páscoa, e exige um “duelo” com algum cavaleiro pela honra: eles lutariam ali na hora e depois de meses, na noite de Natal.

Só que a história é a seguinte: o que um cavaleiro fizesse com o outro na Páscoa, deveria sofrer no Natal.

O sobrinho do Rei Artur, Gawain (Dev Patel), aceita o desafio e corta a cabeça do monstro. Mas lembre-se que ele é um monstro e ter a cabeça cortada é o de menos, ela sai com ela debaixo do braço, sem problema algum.

Só que agora ele fica com o cy na mão porque sabe que pela sua honra, vai ter que estar no Natal na “casa” do cavaleiro verde e deverá sofrer o que ele fez: vai ter sua cabeça cortada.

Esse é o comecinho do filme e a grande parte linda e quase chata, é a caminhada natalina de Gawain até a capela verde para encontrar o monstro.

Só que ele vai passando por várias provações no caminho, encontra ladrões, raposa falante, casal de ricos bem peculiar.

O filme acaba sendo uma coisa mais bonitinha e quase adolescente, só que muito bem produzido, muito bem dirigido, com um elenco incrível mesmo que tem a  Alicia Vikander, Joel Edgerton, Sarita Choudhury, Sean Harris, Ralph Ineson.

O diretor David Lowery (de A Ghost Story) é realmente uma promessa que se cumpriu.

Apesar dele ter feito filmes pequenos, jogaram na mão do cara um filmão que acaba parecendo maior do que é na verdade.

Fizeram a escolha acertada porque, apesar de O Cavaleiro Verde ter uma aura de super produção, o filme é quase todo feito em closes, em planos fechados nos cenários.

Já nas locações, a céu aberto, no meio do mato, Lowery abusa da grande angular, dos planos abertos, da amplitude, pra mostrar que Gawain é um cara tão grande e poderoso quanto todos os cavaleiros da távola redonda, já que todos eles são mostrados no mesmo “nível”, mas é só mais um grão de areia em relação a natureza, ao mundo todo.

Inclusive o monstro Cavaleiro Verde, que é feito de natureza, do verde, com sua barba de raízes, é o único gigante do filme, já que até mesmo o rei Arthur é um cara normal, meio velho já, doente, ao lado de sua esposa rainha mágica e do Merlin, tatuado até o rosto, o que sabe de tudo sempre.

O filme tem uma ideia de roteiro e de narrativa bem interessante e uma surpresa das melhores.

Só acho que se tivesse uns 20 minutos a menos, seria perfeito.

De qualquer maneira, eu acho que a A24 poderia apostar em uma série baseada nas lendas arhurianas que o sucesso seria certo.

Eu, como filhote d’As Brumas de Avalon, assinaria o streaming com essa série.

Vem ni mim Merlin, vem ni mim Morgana.

NOTA: 🎬🎬🎬🎬

Um pensamento sobre “233/2021 A LENDA DO CAVALEIRO VERDE

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s