153/2022 LIMBO

Direto de Hong Kong, Limbo é o filme “choque” da temporada.

Lançado no Festival de Berlim poucos meses atrás, Limbo saiu de lá com fama de ultra violento, ultra estilizado e ultra misógino, já que a personagem principal do filme, uma mulher, apanha até a gente não aguentar mais ver e depois disso ela ainda é estuprada algumas vezes e apanha outras mais.

Como eu fico com os meus 2 pés atrás em relação a filmes que o hype esteja nas alturas, como todos da A24, por exemplo, fui ver Limbo disposto a odiar.

E eu quase odiei.

Quase parei de assistir antes dos primeiros 30 minutos de filme, logo depois da primeira surra que a bandidinha drogadinha Wong To leva.

Mas daí pensei: tá, foi pesado, não precisava ser tanto assim, acho que é isso. E continuei.

O filme é um policial típico que se passa numa Hong Kong suja, feia, detonada, que mais parece uma cracolândia gigantesca só que ao invés de crack, a droga é a heroína e no meio dessa desgraceira toda, tem um doido cortando a mão esquerda de mulheres que circulam por esse submundo.

Entram 2 policiais, um zuado e o outro certinho, claro, que seguem as pistas e aos poucos acham que vão se aproximando desse psicopata, com a ajuda de Wong To, que tem meio que passe livre nesse mundinho.

Esteticamente o filme é lindo.

A fotografia muito estilizada dá uma cara de história em quadrinhos por vezes, se aproximando muito de Sin City.

Mas toda a violência gráfica coloridinha daquela Las Vegas é jogada no preto e branco contrastado dessa Hong Kong de fim do mundo, onde nada nem ninguém presta.

O roteiro é cheio de buracos bestas, que poderiam ter sido resolvidos na sala de edição, já que as 2 horas de filme são desnecessárias.

Mas o trio principal é bom, principalmente Cya Liu, a atriz que vive Wong To.

Uma única questão pra mim em relação ao filme é a necessidade de tanta violência com a moça. Tudo o que você ler sobre esse filme será pouco para o que o diretor Cheang Pou-soi nos joga na cara, já que tudo parece gratuito demais.

Diferente de um Irreversível, com a pior cena de estupro do cinema, de fazer o estômago gritar. Mas que o resto do filme “vinga” esse trauma da melhor forma possível.

Já em Limbo não tem essa redenção.

A violência contra a mulher tá lá e ninguém tem o que falar, pra nosso desconforto. Quer dizer, eu tô aqui falando que na minha opinião, não precisava daquilo tudo porque nada no roteiro justifica o que vemos.

NOTA: 🎬🎬🎬1/2

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s